Considerada pela pesquisa CNT uma das melhores rodovias do Brasil.

A Ecovias, empresa do Grupo EcoRodovias, administra o SAI, formado pelas rodovias Anchieta, Imigrantes, Padre Manoel da Nóbrega e Cônego Domênico Rangoni.

ISO 9001 ABNT14001
Fale Conosco
Caso a sua dúvida não esteja respondida nas Perguntas Frequentes, entre em contato conosco através do formulário
Acessar formulário

Dúvidas

A sua dúvida pode estar aqui. Leia a nossa página de dúvidas mais freqüentes e,
caso não encontre o que precisa,
entre em contato conosco.

  • 1. Quem tem direito à isenção de tarifas de pedágio?
  • Resposta:

    De acordo com o Artigo 1o da Lei 2.481, com a nova redação dada pela Lei 6.302/61, terão trânsito livre no sistema rodoviário e ficam, portanto, isentos do pagamento de pedágio os veículos:
    • De propriedade do contratante;
    • De propriedade da Polícia Militar Rodoviária;
    • De atendimento ao público de emergência, tais como: corpo de bombeiros e ambulâncias, quando em serviços; Forças Militares; e oficiais, desde que credenciados em conjunto, pelo contratante e pela concessionária.

  • 2. Por que o pedágio da Ecovias é o mais caro que das outras concessionárias e como são calculadas as tarifas de pedágio?
  • Resposta:

    O pedágio da Ecovias não é o mais caro. Na verdade, a tarifa é a mesma entre todas as rodovias que fazem parte do primeiro lote de concessão rodoviária do Estado de São Paulo. O valor é resultado da multiplicação da Tarifa Quilométrica (um valor monetário básico por quilômetro de rodovia estabelecido contratualmente) pelo TCP - Trecho de Cobertura da Praça de Pedágio, que corresponde à extensão que a rodovia tem até àquela determinada praça de cobrança de pedágio. Em suma, o valor da tarifa de pedágio corresponde ao trecho percorrido pelo usuário.

  • 3. Por que o guincho não pode me remover até a minha casa?
  • Resposta:

    O contrato de concessão prevê que a concessionária disponibilize guinchos ou veículos para atendimentos de emergência, que retirem o usuário da rodovia e o desloque até um ponto de apoio próximo, onde possa buscar a solução para o problema do veículo. Não é possível uma remoção até a casa ou oficina de confiança de cada usuário, porque o serviço prestado pela Ecovias é focado em tirar o usuário da área de risco e os recursos precisam estar sempre disponíveis para os atendimentos na rodovia.

  • 4. Por que é feita a operação comboio?
  • Resposta:

    Para segurança de nossos usuários, sempre que a visibilidade é prejudicada pela incidência de neblina, mais especificamente, quando o nosso equipamento SCA - Sistema de Controle Ambiental (composto por estações meteorológicas instaladas ao longo do Sistema Anchieta - Imigrantes, permitindo o monitoramento das condições de tempo) aponta uma visibilidade inferior a 100 metros. Neste caso, a ECOVIAS e a Polícia Militar Rodoviária implantam a "Operação Comboio".

  • 5. Como é feita a operação comboio e qual o tempo de liberação de uma caixa de comboio?
  • Resposta:

    A Operação comboio é iniciada nas praças de cobrança de pedágio localizadas na Rodovia Anchieta - SP 150 (Pedágio Riacho Grande – km 31+106m) e na Rodovia dos Imigrantes - SP 160 (Pedágio Piratininga km 32+381m) com a interrupção do tráfego e a concentração de 350/500 veículos para serem conduzidos em conjunto por viaturas de tráfego da Ecovias e da Polícia Militar Rodoviária, com uma velocidade em média de 40Km/h até o local onde as condições de visibilidade permitam que os usuários sigam viagem com segurança. As saídas das caixas de comboio são feitas a cada 30 minutos.

  • 6. Por que às vezes, quando não há neblina, continuam com a operação comboio?
  • Resposta:

    Na verdade, o que ocorre é que, com a mesma rapidez com que se forma a neblina, esta se dissipa e, neste momento, já há a formação do comboio e não há como deixar de realizá-lo, sob o risco de haver sérios problemas, como abusos dos motoristas tentando recuperar o tempo de espera.

  • 7. Por que não é feita a operação comboio para quem sobe a serra?
  • Resposta:

    O ponto mais crítico em relação à visibilidade são os oito quilômetros da Interligação Planalto, via que liga as duas principais rodovias do Sistema Anchieta-Imigrantes, na altura do km 40, permitindo a mudança de uma estrada para outra. Na descida da serra, a Interligação não pode ser bloqueada porque os veículos pesados que seguem em direção ao litoral pelo planalto da Imigrantes precisam obrigatoriamente trocar de rodovia para descer a serra pela Anchieta. Já na subida as alças da Interligação são prontamente bloqueadas sempre que a visibilidade fica abaixo dos 100 metros sem prejuízo ao tráfego de veículos tanto leves quanto pesados.

  • 8. Por que a Ecovias não fiscaliza os caminhoneiros que abusam de ultrapassagens nas rodovias?
  • Resposta:

    A Ecovias não tem poder de polícia para fiscalizar abusos dos caminhoneiros (e demais infrações como essa que ocorrem nas rodovias), tarefa que fica a cargo da Polícia Militar Rodoviária. Para conscientizar os motoristas sobre riscos desse tipo de prática, a Ecovias realiza campanhas educativas todos os anos.

  • 9. Por que é proibida a descida de Vans, ônibus e Caminhões na rodovia dos Imigrantes, trecho de serra?
  • Resposta:

    A proibição atende à portaria 11/2002 da ARTESP (Agência Reguladora de Transportes do Estado de São Paulo) de 06/12/2002. Para consultar a portaria, acesse: www.artesp.sp.gov.br/portarias/011_02.asp

  • 10. Gostaria de obter imagens de acidentes ou dados de acidentes na rodovia, como faço?
  • Resposta:

    Esclarecemos que as câmeras instaladas no Sistema Anchieta-Imigrantes são utilizadas para monitoramento das rodovias e que, por questões de sigilo da política interna da empresa, não fornecemos imagens registradas ou informações de nossos relatórios, senão em atendimento a eventuais ordens judiciais expedidas pelos competentes órgãos públicos.

  • 11. Para quem posso reclamar dos serviços prestados pela Concessionária?
  • Resposta:

    As reclamações, solicitações, elogios, informações e sugestões podem ser feitos diretamente para a Ecovias, através da área de Ouvidoria. O registro pode ser feito nas Praças de Pedágio, Balanças, Bases Operacionais e/ou via e-mail: ecovias@ecovias.com.br.
    O telefone 0800 19 78 78 deve ser utilizado somente no caso de atendimento e comunicação de emergências.
    Se desejar, pode também contatar a Artesp (Agência Reguladora de Transportes do Estado de São Paulo), via e-mail ouvidoria@artesp.sp.gov.br ou pelo telefone 0800 7278 377.

  • 12. Estou com problemas na tag ou nas faturas de cobrança automática do meu veículo. Quem devo procurar?
  • Resposta:

    A Ecovias não administra nenhuma operadora de cobrança automática. Caso o problema esteja relacionado ao Sem Parar, o contato deve ser feito pelo telefone 0800 723 2245 ou www.semparar.com.br

    Para dificuldades com a ConectCar, o atendimento será feito pelo telefone 0800 030 2227 ou www.conectcar.com

    Já a MoveMais atende no telefone 0800 765 1000 ou www.movemais.com

    E o Auto Expresso – Dbtrans pode ser acionado pelo telefone 0800 880 2010 ou www.autoexpresso.com.br

  • 13. Por que a concessionária não emite Nota Fiscal Paulista?
  • Resposta:

    A nota fiscal é emitida nos casos de atividades em que há incidência do pagamento do imposto Estadual ICMS - Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual, Intermunicipal e de Comunicação, o que não é o caso dos serviços prestados pelas concessionárias de rodovias em que há a incidência do ISS - Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza. Mas caso tenha interesse, poderá emitir um Documento Fiscal Equivalente por meio de cadastro do comprovante de pagamento da tarifa do pedágio em dinheiro ou por sistemas de cobrança automática no portal https://cupomfiscal.ecorodovias.com.br/

  • 14. Como faço para emitir um Documento Fiscal Equivalente - DFE?
  • Resposta:

    Desde 1º de janeiro de 2018, os usuários podem emitir documento fiscal complementar pela internet, de acordo com a Instrução Normativa 1768 da Receita Federal que complementa a IN 1731.

    Para a emissão do DFE, é necessário cadastrar o comprovante de pagamento da tarifa do pedágio, por meio do portal do usuário https://cupomfiscal.ecorodovias.com.br/

    No momento da inscrição, deverá ser informado o número sequencial do comprovante e a placa do veículo. O prazo para cadastro é de até 07 dias corridos a partir da data de emissão do recibo de pagamento do pedágio, tenha sido o pagamento efetuado manualmente ou por sistemas de cobrança automática. Vale destacar que o documento fiscal (recibo) que é entregue atualmente nas praças de pedágio é suficiente para a prestação de contas de despesas. Contudo, ao acessar o site disponibilizado pelas concessionárias do Grupo EcoRodovias, o usuário poderá também emitir o documento fiscal complementar e imprimi-lo, se assim desejar.

  • 15. Posso declarar o DFE no Imposto de Renda?
  • Resposta:

    Despesas com pedágios não são dedutíveis para Imposto de Renda para as Pessoas Físicas (IRPF). As empresas que declaram seu imposto no regime do lucro real podem registrar como despesa o DFE obtido nas praças de pedágio ou de forma online, observadas as regras fiscais aplicáveis.

Emergências: 0800-197878 Informações 24h: 11 4346 7878 Ouvidoria: 11 4358 8675
Siga @_ecovias no Twitter